Festival Brasileiro de Filmes de Aventura, Turismo e Sustentabilidade

468×60 top

Os Filmes

Os filmes que estarão participando da oitava edição do FATU são:

Caminho Deserto, Si Sa Ket, de  Pedro Giongo, 7’, Profissional. Em um lugar muito, mas muito distante, a costa é o paraíso, a cidade um inferno, e o caminho de volta para casa o purgatório, ou a entrada pela porta da saída.

Quadrúpede, de Andréia Kaláboa, 13’, Profissional. A sustentabilidade de uma família amparada nos pilares de um quadrúpede.

Hambla, de FABIO HASSEGAWA, 5’, Profissional. De onde nascem as águas, flores caem como tapetes, peixes se abrigam debaixo dos troncos, fadas sobrevoam, e a presença humana brinca entre a floresta e a quietude.

Salva Vidas, de Isacc Donato, 5’, Profissional. É dia de pesca. Um jovem pescador segue solitário pelo mar. Essa pesca não é proibida.

Ouro de Tolos, de Felipe Carrelli, 17’, Profissional. João Vitor e Kid descobrem um valioso tesouro na Mina de Tancredo Neves. Mas isso vai provocar uma confusão de outro mundo.

Na quadrada das águas perdidas, de Wagner Miranda e Marcos Carvalho, 74, Profissional. A saga de um nordestino numa pitoresca odisséia pela Caatinga. Um filme com apenas um ator (Matheus Nachergaele) e sem diálogos. Ele vive o Caatingueiro Olegário que além de fazer várias técnicas de sobrevivencia contracena com diversos animais, inlcusive um urubu que o espreita o tempo inteiro.

 DNA para Voar, de Fabio Benvenuti e Leonel Santanna, 6’, Profissional. De forma dinâmica e emocionante a Família Costa que realizou o primeiro salto de Paraquedas de três gerações Avô, filho e Neto. Realizando o sonho de um dia os três voarem juntos.

Aterro, de Marcelo Reis, 72’, Profissional. Um filme sobre sete mulheres pioneiras da catação de lixo no Brasil. Diante do atual e controverso sistema de aterragem, elas falam do aparente inevitável destino do lixo.

A dança do Tempo, de Christian Spencer, 22’, Profissional. O filme leva o espectador a uma viagem pelas belezas e pelos infinitos ciclos da natureza. As imagens obtidas durante os quatro anos são finamente tecidas de modo que a exuberante natureza da Mata Atlântica dança ao som de uma trilha sonora pulsante

 

Destimação, de Ricardo Podestá 13’, Profissional. Um papagaio é seduzido pelas belas imagens de uma caixa de luz e atrapalha a convivência mórbida do recinto.

Imua Guardiã – 130 km de Niterói a Ilha Grande em uma canoa havaiana, de Thiago Silva, 10’, Profissional. O filme que relata emocionantes vivências da bióloga Luiza Perin durante sua remada de 28 horas ininterruptas na Guardiã, sua canoa havaiana, de Niterói a Ilha Grande, no Estado do Rio de Janeiro. Luiza remou sem escalas por 130 quilômetros para viver intensamente seu amor pelo mar.

 O veneno esta na mesa, de Silvio Tendler, 50’, Profissional. O Brasil é o país do mundo que mais consome agrotóxico: 5,2 litros/ano por habitantes. Muitos desses herbicidas, fungicidas e pesticidas que consumimos estão proibidos em quase todo mundo pelo risco que representa a saúde publica.

Tempo brasileiro – O vale do Paraíba, de Gabriel Meirelles Pinto, 25’, Profissional.  O Vale do Paraíba é um daqueles lugares por onde o tempo passou e deixou rastros. A sua importância cultural contrasta com o esquecimento. Porém, sua riqueza histórica ainda proporciona ao viajante uma jornada ao passado que nos remete ao futuro.

A galinha que burlou o sistema, de Quico Meirelles, 15’, Profissional. Numa granja industrial, uma galinha tem uma visão: toma consciência da engrenagem que rege sua vida, que determina seu destino. Mesmo enclausurada entre milhões de galinhas que não compartilham de sua angústia, ela acredita que a vida pode ser diferente.

Monte Pedral, de Marcley de Aquino, 15’, Profissional. Documentário poético sobre a criação de gado bovino no sertão nordestino.

 

Vida Kalunga, de Betânia Victor Veiga, 15’, Profissional. Em busca da liberdade, alguns escravos se refugiaram no interior goiano. Seus remanescentes viveram décadas isolados e somente foram registrados como cidadãos, nos anos 80.

Diário de Campo, de Pedro Barbosa, 13’, Profissional. Fusão de biologia e montanhismo, o documentário registra uma expedição ao Pico dos Marins, maior montanha do Estado de São Paulo, para a coleta da Zygopetalum triste, uma orquídea rupícola que somente ocorre em campos de altitude.

Mais que um olhar, de Pedro Barbosa, 17’, Profissional.  Inovador por utilizar a fotografia como pano de fundo para discussões nada triviais e próprias de uma complexa e turística metrópole, o documentário evidencia os aspectos urbanos do meio ambiente.

Vale a Pena?, de Pedro Barbosa, 8’, Profissional. Um projeto socioambiental sendo implementado em escola, com horta, canteiros e bancos de barro. Crianças sujas de terra, indo e vindo. A senhora da limpeza lavando o pátio e o banheiro, sucessivas e sucessivas vezes.
O Mistério do Menino do Mar, de Wildes Sampaio, 45’, Profissional. Um menino cego encontra uma caixa cheia de elementos que revelam mistérios que poderão fazê-lo enxergar o paraíso onde vive. Uma aventura pela esmeralda do atlântico, o belíssimo arquipélago de Fernando de Noronha.

 João de Barro, de Wildes Sampaio, 15’, Profissional. João de Barro é um pássaro que constrói sua própria casa. João também é o nome de um indiozinho que fica instigado a ganhar asas e abandonar seu lar com a chegada de um biofotógrafo na ilha em que mora no meio do Rio São Francisco.

Maria Ninguém, de Valério Fonseca, 13’, Profissional. Aldeia de Búzios 1964. Durante a visita da atriz Brigitte Bardot ao balneário fluminense, menino Sandro rouba peixe da pesca para presentear a nova amiga. Participação da atriz Fernanda Lima.

Sonho e Silêncio, de Valério Fonseca, 7’, Amador. O silêncio, a impressão, a política, a poesia. Curta experimental Filmado em Portugal.
Parelheiros, um contraste da metrópole Paulistana, de Aldemir Reis, 46’, Amador. Um distrito localizado no extremo sul da Cidade de São Paulo guarda em suas terras, histórias e fatos que marcam a colonização alemã desde 1827.
A grande concentração de matas, vida selvagem, rios e riachos de águas limpas e diversas cachoeiras, a biodiversidade cultural e étnica, fazem de Parelheiros uma jóia da Capital Paulista.

Ô de casa! Ô de fora! , de Ducca Rios, 14’, Amador. Com depoimentos de gestores de grandes resorts turísticos existentes na atualidade na região da costa dos coqueiros, litoral norte da Bahia, e de moradores de entorno desses empreendimentos, alguns dos impactos, tanto positivos quanto negativos, que essa atividade imprime onde se instala.

Paraty: Patrimônio para todos, de Marcos Vinicius, 23’, Amador. Com embasamento científico, histórico-geográfico, aborda aspectos dentre os mais relevantes presentes na realidade de Paraty como sua história, arquitetura, reconfiguração do município para atividade turística, problemas sociais atuais, a vegetação da Mata-Atlântica existente no local, entre outros.

 

Uma Viagem ao Quilombo São José, 28’, de Colégio Pedro II Unidade Realengo II, Amador. O documentário “Uma viagem ao Quilombo São José” revela a importância da cultura quilombola do Centro-sul fluminense através de sua arte e seus aspectos religiosos, assim como as dificuldades enfrentadas pelos moradores do Quilombo São José para estudar e se colocarem em um mundo cada vez mais interligado por diversas redes, das quais eles são excluídos. O tradicional Jongo da comunidade, um dos mais importantes do país, e quilombolas fascinantes são apresentados ao público a partir da percepção dos alunos do Colégio Pedro II Unidade Escolar Realengo II.

Mobilicidade – Diadema no dia Mundial sem Carro, de Tiago A. Neves e Erivelton Nascimento, 9’, Amador. O vídeo apresenta e retrata a ação ‘MOBILICIDADE – Diadema no Dia Mundial Sem Carro!’

Cenas e depoimentos revelam a dinâmica das ações de mobilização urbana e cidadania sociocultural na cidade.

3 na cova, 2 na regra, 1 de quebra, de Claudio M. Massaro Duque, 10’, Amador. O vídeo documenta as relações entre a agricultura familiar e a moderna agricultura comercial, onde as perdas ambientais e culturais são evidenciadas.

 

No rumo do Uçá, de Wladymir Lima, 24’, Série para TV. Considerados berçários de espécies, os manguezais estão entre os ecossistemas mais importantes do planeta, justamente por que servem de base para os demais ecossistemas.

Férias no Paraíso, de Cau Rodrigues, 4’, Série para TV. Imagine um lugar paradisíaco com mar de águas cristalinas e mansas, com um povo acolhedor e criativo e uma culinária divina. Assim é a Barra de São Miguel, o balneário mais procurado pelos turistas em Alagoas.

Tô de Folga – Marechal Deodoro, de Maria Goretti, 4’, Série para TV. As belezas naturais de Marechal Deodoro, cidade alagoana onde nasceu o primeiro presidente da república. Conhecida por seu potencial turístico e histórico, o local atrai turistas do Brasil e do mundo todos os anos.

 Reserva Pássaros, de Maria Goretti, 9’, Série para TV.  A luta pela preservação de espécies de pássaros em extinção na zona da mata alagoana. No estudo e catalogação, os pesquisadores da universidade federal descobriram espécies nunca antes vistas no Estado

 

Tô de Folga – Litoral Norte de Alagoas, 3’, Série para TV. As belezas e a tranqüilidade do litoral norte. Praias quase desertas, longe dos destinos badalados são mostradas nesta reportagem que foi ao ar no Jornal Hoje, da TV Globo.

Ecorede, de Ulisses Serotini, 68’, Série para TV.   Uma série de reportagens exibidas na TV Centro América em Mato Grosso, e na TV Morena em Mato Grosso do Sul nos telejornais Bom dia Mato Grosso e MTTV 1° Edição, Bom Dia Mato Grosso do Sul e MSTV 1° Edição.

Volta aqui moleque,  Colégio Josephina, 5’, Juvenil Escola. Uma correria envolvendo diversas pessoas é causada por garoto que rouba escada de vizinho.

Bora lá,  Escola Craveiro, 5’, Juvenil Escola. Um grupo que sempre faz caminhada resolve convidar mais um amigo para se juntar. Mas ele recusa o convite e prefere ficar em casa.  Mas depois de passar tanto tempo em casa, ele percebe o quanto está perdendo do mundo lá fora.

Cultura da Água, de Escola Viva Verde, 5’, Juvenil Escola.  Os alunos do 6º ano realizaram um debate oral regrado sobre “A Construção das mini-hidrelétricas em Socorro”.
O projeto de instalação de centrais geradoras hidrelétricas (CGH´S) em cachoeiras da bacia do Rio do Peixe prevê a construção da CGH – Peixe, em Socorro, além de mais duas em Bueno Brandão (CGH Cachoeirinha e CGH Limoeiro) e uma em Munhoz (CGH Corrente)

783 – Colégio Construindo de Brotas – Melhor Filme Juvenil Escola 2011 – Documentário sobre a formação da equipe de rafting Bozo d` água de Brotas e sua conquista do mundial em 2007.

Agricultura Sustentável – Escola Álvaro Callado – Brotas – Melhor Júri Popular 2011 – O documentário retrata a necessidade de se ter uma agricultura sustentável, visto a grande preocupação com a saúde do planeta.

Correspondência Verde – CE SESI 429 Brotas – Premio Especial Melhor Filme Sustentável  2011 – Num belo dia, uma garota senta-se com um caderno debaixo de uma arvore que lhe pareceu convidativa mesmo que ela não tenha percebido.

Expedição Phoenicia, Filme convidado  de Yuri Sanada, 108’ A bordo de uma réplica de um navio veleiro fenício de 600 AC, um pequeno time de exploradores e cientistas circunavegaram o continente africano, de 2008 a 2010. Este episódio da aventura humana havia sido narrado por Heródoto, o grego considerado o pai da história, mas sempre creditado como lenda.

Compartilhe! Share!
468 ad

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

468×60 bottom
Anuncie aqui 728×90